Dispositivo promete facilitar uso de celular ao volante

04/01/2017 às 5:29 pm
Share on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn0

A cada dia surgem novas tecnologias no mundo e, consequentemente, no trânsito. São novos itens de segurança, tecnologias embarcadas, possibilidades crescentes de conectividade entre veículos e dispositivos móveis, etc. Algumas delas de fato contribuem para o aumento do conforto e bem estar a bordo, já outras podem ser verdadeiras ameaças.

Não é novidade que o uso de aparelhos celulares tem sido um grande e mundial problema no quesito da prevenção de acidentes no trânsito, não somente pela imensa distração causada aos motoristas, mas também aos pedestres, que estão se envolvendo cada vez mais em acidentes devido ao fato de andar pelas ruas imersos em seus celulares, de cabeça baixa, desatentos. Na rua, rodovia ou estrada, esses pequenos segundos de desatenção podem – e tem sido – fatais.

Será que é mesmo necessário o uso ininterrupto dos smartphones, a ponto de aceitar colocar em risco a própria segurança!? Um novo dispositivo divide opiniões, prometendo facilitar a vida de quem precisa dirigir mas insiste em não ficar desconectado ao longo do caminho: é o Navdy.

Na prática, o aparelho projeta as informações do celular no para-brisa do carro e cria uma situação de realidade aumentada, de forma que o motorista possa visualizar a tela sem perder a estrada de vista. Criado por uma equipe multidisciplinar, com integrantes cujas histórias profissionais foram escritas em gigantes da tecnologia como NASA, Apple, e Audi, a principal aposta de marketing para convencer o cliente é a promessa direção com segurança ao mesmo tempo em que se usa as funções básicas do celular.

Porém, esse conceito de “direção com segurança” não é uma unanimidade. Um estudo da Universidade de Toronto, no Canadá, afirma que esse tipo de equipamento torna a direção mais perigosa. Isso porque os motoristas precisam dividir a atenção para lidar com a informação visual adicional, já que duas fontes de informação estão presentes no mesmo campo visual, as informações do aplicativo e as demandas reais do trânsito ao longo do caminho.

Os pesquisadores afirmam: “Seria necessário distinguir, por exemplo, entre os alertas sobre uma colisão e sobre uma recomendação para fazer um retorno. Caso contrário, advertências concorrentes podem ser mais perigosas do que nenhum aviso”. E complementam: “As duas tarefas visuais interferem umas com as outras e prejudicam a velocidade e a precisão da reação”.

Fonte

Pesquisa – Universidade de Toronto

últimas Postagens