Celular ao volante é mais perigoso do que se pensa

23/01/2017 às 4:14 pm
Share on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn0

Fonte

Todo mundo sabe que volante e celular é uma combinação perigosa. Mas, de modo geral, temos uma certa tendência a acreditar que nossa habilidade na direção é capaz de compensar eventuais “deslizes”. Mas não é bem assim, principalmente se você estiver digitando: um estudo realizado pela Universidade de Houston revela que dirigir e ao mesmo tempo escrever aquela mensagem no WhatsApp pode ser bem mais arriscado do que qualquer outra forma de distração.

Porque o “texting” é tão perigoso?

Ioannis Pavlidis, líder do estudo da Universidade de Houston, descreve o texting como um estressor sensório-motor: você precisa desviar os olhos (a parte sensorial) para o celular, assim como utilizar uma das mãos (a parte motora) para segurá-lo. Quando você conversa ou tenta se entender com o rádio (sem olhar para o painel deste) está acionando mecanismos de estresse emocional ou cognitivo, ambos potenciais causadores de distração. O estresse sensório-motor também faz isso, só que em níveis muito mais graves.

A equipe de Pavlidis fez um experimento com 59 participantes para identificar as discrepâncias entre esses tipos de distração. Todos dirigiram pelo mesmo percurso em um simulador, mas em quatro circunstâncias diferentes: sem nenhum tipo de distração, com distração por desafio cognitivo, com distração por conversas com apelo emocional e, finalmente, com distração por mensagens de texto.

Na etapa de distração cognitiva, o objetivo foi avaliar os riscos que uma pessoa enfrenta ao se ocupar com o rádio ou com algo que está acontecendo na via, por exemplo. Já a distração emocional pode avaliar os efeitos de uma conversa que você está tendo com uma pessoa ao lado ou no celular — interações com outras pessoas podem gerar diversos tipos de emoções, como tristeza, alegria, apreensão, irritação, preocupação etc.

Como esperado, todos esses tipos de distração fizeram os participantes conduzir de forma que o carro fosse para a esquerda ou para a direita. Essas idas e vindas foram os parâmetros usados para avaliar a influência do estresse na direção. Mas foi o texting que causou mais nervosismo e, consequentemente, mais desvios.

É óbvio, mas tem um detalhe

Se você disser que esse resultado é óbvio, estará certo. Ao usar o smartphone para escrever uma mensagem, você segurará o aparelho com uma mão, olhará para a tela e ainda se concentrará no texto, portanto, a distração é realmente maior. Mas há um agravante aqui.

Se você cometer um erro de direção ou um perigo repentino surgir à frente, o cérebro acionará os mecanismos necessários para você escapar do problema. Dependendo da gravidade, as suas pupilas se dilatarão e uma descarga de adrenalina aumentará a sua frequência cardíaca, por exemplo. As sensações que esses processos causam são ruins, mas o importante é que eles deixarão seu corpo preparado para a reação.

Só que esse mecanismo de reação depende da visão. Se você estiver olhando para a tela do celular, seu cérebro poderá não conseguir identificar a situação de perigo a tempo de definir a ação corretiva mais adequada. Além de “sequestrar” a vigília visual, a digitação no celular pode envolver os já mencionados fatores emocionais e cognitivos, dificultando ainda mais o poder de reação.

De acordo com Pavlidis, uma área do cérebro chamada Córtex Cingulado Anterior é que exerce a função corretiva. Para funcionar adequadamente, essa área precisa do elemento sensório-motor, ou seja, da ação física (movimentos da mão) que é obtida a partir do que se percebe com a visão.

Se esse sistema não está presente, você pode tomar a decisão errada — frear quando o ideal seria tentar desviar o veículo, por exemplo — ou ter um nível de estresse fisiológico tão elevado que você acaba virando nervosamente o volante para ambos os lados, tamanho o nível de energia direcionado aos seus braços.

Moral da história

O recado é claro, né? Não estamos preparados para digitar e dirigir ao mesmo tempo. Provavelmente, nunca estaremos. Mesmo tendo muita experiência no volante, o que determina a capacidade de um motorista de escapar de uma situação perigosa não é apenas a sua habilidade técnica, mas também o seu poder de reação. É justamente essa última parte que fica comprometida com o texting.

Sistemas como Apple CarPlay e Android Auto (falamos deles no Tecnocast 039, confira abaixo) podem amenizar essa situação por permitir que a gente use reconhecimento de voz para enviar mensagens. Mesmo assim, exercer o autocontrole continua sendo mais prudente: deixe para responder aquela mensagem no WhatsApp depois ou, se a situação exigir, pare o carro em um lugar seguro antes de fazê-lo.

 

últimas Postagens